A Gravidez de um Gestor de Projetos

Vou ser pai.

Nunca imaginei que um dia começaria um artigo com estas 3 palavras! Muito menos que faria um falando sobre gravidez e gestão de projetos. E aqui estamos!

Depois de curtir a novidade, a vida começa a voltar ao normal, apesar de toda a nova rotina do período de gravidez da minha esposa. Eu trabalho com gestão de projetos e minha esposa com logística. Portanto já podem imaginar: somos futuros pais que, o tempo todo, estão planejando alguma coisa – e com a gravidez não está sendo diferente.

O que vocês imaginam que fizemos primeiro quando decidimos engravidar? Marcar consultas? Fazer exames? Não: Montamos uma planilha no Excel, com cálculos e estimativas de quanto custaria o “Projeto Bebê” e quanto precisaríamos economizar ou investir nos próximos 2 anos.

Fizemos praticamente um Estudo de Viabilidade! Só faltou criarmos um Business Case…

Pois bem, planilha feita, custos para os primeiros anos estimados e consultas marcadas. E o que foi que aconteceu? Como muitos projetos, gastamos tempo demais no planejamento e descobrimos que já estávamos grávidos! O projeto já estava rolando ainda na fase de planejamento! Literalmente, cortamos e antecipamos duas colunas na nossa planilha de “Fluxo de Caixa” do bebê!

Planejamento

Planejar uma gravidez é fundamental, principalmente nos dias de hoje, com o governo que temos, a insegurança nas ruas, as exigências do mercado de trabalho e outros riscos. Mas, como em qualquer projeto, se você focar demais nos riscos e incertezas, não fará projeto algum, pois todo projeto é rodeado de dúvidas. Por mais experiente que você seja no assunto, sempre algo imprevisto pode acontecer.

Como estamos bem de saúde, resolvemos que era a hora de sermos pais. Tudo bem que o início do projeto foi antes do previsto, mas não foi uma surpresa total. E agora? Qual metodologia, ferramenta ou prática usar pra gerenciar toda essa fase? Será possível ter algum controle sobre tudo?

Bebê Cascata

Que tal imaginarmos uma gravidez como um Projeto Cascata: Aquele tipo de projeto que você sabe muito bem o que quer, onde chegar e os passos para tal: Você tem o primeiro ultrassom, a primeira consulta, depois alguns exames obrigatórios.

Passado algumas semanas, você tem um segundo ultrassom, escuta os batimentos. Semanas depois, consegue descobrir o sexo do bebe. E por ai vai: Ao visitar um médico, ele lhe entregará um cronograma praticamente pronto, bastando definir a data de início, só seguir!

Bebê Ágil

Certo. As etapas da gravidez são claras e não há muito o que se fazer pra mudar isso. Mas e todo o resto? Você quer montar o quarto do bebê, comprar brinquedos, roupinhas, presentes, organizar festinhas, escolher escolinha e, tudo isso, quando o bebê ainda tem menos de 10cm de tamanho…..

Escutei esses dias uma frase de uma doula – profissional que acompanha e ajuda você durante a gravidez, em paralelo com o acompanhamento médico – que me fez ter o insight pra este artigo:

 No começo o bebê só precisa de três coisas: A mãe, o colo e o peito.

Pensando nisso, qual o “Mínimo Bebê Viável“? Se você passará as primeiras semanas ou meses focado apenas em alimentá-lo, mantê-lo aquecido e limpo, qual o sentido de você comprar um brinquedo que ele só usará quando tiver 1 ano de idade? Qual o sentido de você gastar seu tempo pesquisando qual a melhor escola da região? E montar aquele quarto cheio de ursinhos e brinquedos, que ficarão empoeirando por meses? Nenhum.

Bebês Aprendidos

Quando pesquisamos na internet sobre outros “Projetos Bebêzinhos“, você encontra centenas de milhares de informações, muitas vezes conflitantes. Você anseia encontrar informações boas pois quer ouvir a opinião especializada de alguém já que, como em qualquer projeto, você não precisa começar do zero e descobrir tudo sozinho: Outros já passaram por algo semelhante, já possuem lições aprendidas e você pode aprender com eles, cortando caminho ou até mesmo economizando em alguma coisa.

Você encontrará opiniões extremamente negativas, que o fazem repensar a ideia de começar um projeto e também opiniões maravilhosas, como se tudo fosse ser perfeito, sem erros nem problemas.

O Bebê, por ele mesmo

Tornar-se pai pode ser ágil, cascata, híbrido, britânico – estilo príncipe George – ou até mesmo sem planejamento algum.

Muitos projetos são assim: Você não conseguirá planejá-los como gostaria. Pode até tentar, mas cada projeto é único, com suas vantagens e desvantagens.

Cabe a você dosar até quando você quer se preocupar com o planejamento e quando você decidirá por realmente participar e viver aquele projeto e vê-lo nascer.

Então, prefiro deixar de lado o papel de “gerente de projetos” para curtir todos os imprevistos da gravidez e do futuro nascimento.

Afinal, ser pai é trazer ao mundo alguém que dependerá exclusivamente de você por muito tempo, com ou sem planejamento.

 

Melhor esperar e aprender com a prática.