Não acreditam no seu trabalho. E agora?

Você com certeza já se sentiu desvalorizado na sua vida ou no seu trabalho. Sabe aquele momento que você começa a se questionar se escolheu a profissão certa? Se está na empresa certa ou qual o valor do seu trabalho? É sobre isso que vamos falar neste artigo!

Existem profissões que entregam coisas práticas, tangíveis. Um arquiteto entrega um prédio. Um padeiro entrega pães e um vendedor de churros entrega… churros. Você consegue avaliar o trabalho de cada um deles através das entregas. Se o pão é ruim, você diz que os ingredientes eram ruins? Não, provavelmente dirá que o padeiro é ruim.

Mas e quando você possui uma profissão onde a maior parte das suas entregas são intangíveis?

Gestão de Projetos: A profissão que (quase) ninguém vê

O gestor de projetos é visto, na maioria das empresas, como aquele profissional que fica pra lá e pra cá ajudando as pessoas a se conversarem em prol de um objetivo ou meta. Independente da metodologia ou boa prática, se ele segue recomendações do PMI, do Scrum, do Prince2, etc, a essência do seu trabalho é a comunicação. 

Mas boa parte deste trabalho não é visto por ninguém. Ao fim do projeto, o que você tem em mãos? Um cronograma fechado, um orçamento comparado com o real, uma série de planilhas e apresentações, uma conta de telefone pra pagar e algumas centenas de e-mails.

Mas e todas as conversas de corredor, onde entram? Aquele bate-papo no horário de almoço que ajudou a clarear as idéias de alguém do projeto? O feedback que foi dado pra um colega do trabalho quando ele nem esperava por isso? Isso não é lembrado quando o projeto acaba, sendo ele um sucesso ou não.

Sabemos o que é certo. Sabemos que a reunião diária do Scrum precisa durar 15 minutos – nem mais nem menos. Sabemos que um projeto estilo PMI deve ter uma TAP aprovada antes de começar. Mas, na prática, sabemos que nem sempre isso acontece ou é possível!

Você é o responsável por mostrar o seu valor

Não estou falando de compilar a quantidade de projetos entregues, criar avaliações de clima, receber dezenas de recomendações no LinkedIn. Estou falando de você mostrar seu valor – nem que seja pra si mesmo.

Geralmente sabemos o que é melhor para nós – ou acreditamos que sabemos. Tomamos decisões com base em alguma premissa ou crença e, a partir daí, colhemos os resultados das nossas ações.

Mas isso vale pra todos! Seu gestor possui as próprias crenças e valores! Você pode acreditar que está fazendo o melhor, mas será que o seu melhor é o que seu gestor ou empresa precisa?

Mas qual o melhor caminho?

O que é melhor? Uma reunião de 2 horas com uma apresentação que você levou 2 semanas pra preparar ou uma reunião de 20 minutos com rascunhos feitos em papel de pão?

Pois saiba que existem empresas e pessoas que funcionam perfeitamente nas duas situações!

O seu valor, aquilo que você acredita, está coerente com o que a empresa busca naquele momento? As vezes não! Em alguns casos você até consegue entender isso, adaptar-se e passar a entregar o que precisam de você.

Mas em outros não, você fica em uma situação de conflito pois precisa fazer algo que vai contra os seus valores e crenças.

O que você acha disso?

Acredito que pra tudo existe um meio termo. Você nunca encontrará uma empresa ou lugar que você possa fazer o que quer, da forma como quer ou julga correto. Precisará se adaptar.

As vezes você terá oportunidade de mostrar o que sabe, fará seu trabalho corretamente da melhor forma possível. Mas as vezes a empresa não precisará do seu melhor, apenas do “bom”, do “mais ou menos” ou do “mal feito mas que resolva” – e você terá que aceitar isso.

Mas e você? O que você acha sobre isso? Comente no artigo!

 

Obrigado pela leitura!